Terças poéticas: Teia de aranha

Quando você cria um texto, é como se você fosse uma aranha diligentemente construindo uma teia. Enquanto você costura palavra em palavra, letra em letra, parece que tudo que você faz é só pra você. Você só vê a linha, você não vê o ponto final. Ou o design lindo que você já criou. Você só vê o meticuloso trabalho que está fazendo, linha por linha, mesmo que você esteja imaginando como vai ser o produto final.

Assim é a vida e todas as habilidades que resolvemos aprender. No começo talvez até sintamos que estamos fazendo tudo errado, principalmente se estamos aprendendo algo muito novo pra nós. Uma parte de nós talvez queira desistir. É nessa hora que é mais importante se desafiar a continuar.

Quando eu era criança, eu me desafiava com coisas sem sentido só pra me divertir ou pra sair de uma certa zona de conforto. Por exemplo, um dia me desafiei a tomar uma garrafa d’água de 1l o mais rápido que eu podia – por quê? Ninguém sabe. Mas eu virei a garrafa assim mesmo e acabei com a roupa toda molhada. Talvez pra outras pessoas aquilo tinha sido a maior burrice do mundo, mas pra mim era só diversão. Da próxima vez eu conseguiria. Nunca houve uma próxima vez, ainda bem, mas eu consegui aprender uma coisa: O próprio processo de aprender algo novo é algo a ser apreciado, mesmo que às vezes estejamos apenas costurando, feito a pequena aranha no canto da parede.

Porque no final, teremos alguma obra de arte que sim, pode parecer frágil, mas que dura pra vida toda. E veremos que os dias de suor valeram a pena. Nossa teia vai ser quase invisível, mas forte como as raízes de uma árvore.

Música do dia: Apple Tree – Aurora

[Terças Poéticas #2] Cristalina

Você já sentiu sensações estranhas quando estava ao redor de pessoas, digamos, falsas?
Já sentiu um certo nó no pé da barriga, quando falou com alguém?
É estranho não é?
É como se seu corpo reagisse a algo que não vê nem pode mensurar ou descrever.
Uns chamam de instinto, outros de intuição, outros de balela.
Mas se você parar pra pensar, vai perceber que, estar com pessoas tóxicas é como afundar numa poça de lama.
Lama ou água de esgoto. Da mesma forma te deixa se sentindo sujo e malcheiroso.
E ninguém gosta de gente suja e malcheirosa, ainda menos as pessoas tóxicas em si. Mesmo que todo mundo cheire mal de vez em quando.
Porque elas se entopem de perfume pra esconder a sujeira. E olha que é perfume de marca, hein? Importado.
Talvez você ache que porque essas pessoas roubaram sua paz e sua confiança em si mesmo, talvez seja tarde demais.
Talvez você sinta até que se tornou uma delas. Que elas conseguiram o que queriam e fizeram você parar de acreditar em si e no futuro.
Mas você não precisa ficar na lama. Pode parecer impossível mas…eu sei que logo à frente tem um lago, de águas cristalinas, esperando por você. Por nós.
Basta você dar o primeiro passo: Ser cristalino você mesmo. Não mentir, não enganar, nem aos outros nem a você mesmo. (não mentir pra si mesmo é sempre bem mais difícil, pelo menos pra mim)
E um dia você vai poder entrar na água e sentir a pureza curando suas feridas, te deixando pronto pra receber o melhor.
Você é especial. Você merece ser visto como um todo. Você não precisa mais se esconder na escuridão.
Você fica muito mais bonito com a sua luz refletindo nas águas cristalinas de um lago belo e pacífico.

Música do dia: Crystal Clear – Hayley Williams